Os cogumelos de Urucânia

    Na terra em que os canaviais eram sempre pródigos em garapa e açúcar branca os cogumelos eram uma incógnita – melhor não tocar neles, se não os sabemos bons ou venenosos – irredutivelmente sedutores atiçam a língua e o viço,   num canto limítrofe entre o jardim e a horta amadurecem ilesos de […]

A casa da Rua da Câmara, 98

    Aos meus amigos Oscar Araripe e Cidinha     O poeta é apenas esse menino-pintor de sorriso tímido inventando a vida o lado dela à porta aberta para a rua os olhos estão no mundo ladeira abaixo escorregadio, espiam o tempo em atropelos os braços que abarcam os corpos celebram a indivisibilidade da […]

A chegada da primavera

  A primavera tudo cura,   as cicatrizes do verão sangrando minguadas no inverno   a dor da alma recolhida ao ranger dos ossos   a nudez sem pudor do outono   o vazio da rua sem flores nem lua   a menina que perdi pelo fim da rua   a buganvília de vermelho coagulado […]

Rituais

  A primeira vez que  vi o mar ela estava ao meu lado e me lembro de ter pedido ao ouvido dela, alheio ao alvoroço das ondas que me ajudasse a ver o mar   como dias antes eu tinha pedido ao pássaro me ajudasse a voar e à abelha me ensinasse a doçura de […]

Seca oblíqua

  À Gislene Lima   O verão ainda nem tinha chegado definitivamente, pelo menos de calendário, e já estava inaugurado na cidade o tempo do racionamento e da falta de água. Tempo em que pareceria que “o sol chupava os poços”. A propósito, você se lembra de um verão desses mais antigo em Urucânia com […]

Sonhos de meninos

  Muita vezes eu fui sozinho ao alto do morro do Manoel Camilo só para tentar tocar a lua   eu não era um iniciado em paixão de lua por mim como Renato Caiaca (a lua o seguia nuinha nuinha cidade afora)   eu tinha que deixar a cidade lá embaixo e sair à procura […]

Lua de sangue

      Noite de lua de sangue os vales, de escuridão provisória adquirida a lua cheia, aquecem-se líquidos por este fluxo contido que avoluma a carne e a lua pela paixão na rua a lua, de sangue coagulado ao corpo exibe-se amornada às mãos afeita ao inverno que se traz na alma o sino, […]